Cadápio Metal da Semana

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Saudações Metalsplashers!!!
Mais uma semaninha que começa, e vão aí algumas dicas de "barulhera" pra ouvir durante a semana"


Começando com uma banda de Santo André / SP, formada em Outubro de 1996 por Nelson Lima (Guitarra) e Rogério Fichi (Baixo e Vocal), que após a mudança de alguns integrantes passou a ter atualmente na sua formação Julio Carvalhal (Bateria) e Max Pinho (Guitarra).

O Transfixion faz um Thrash Metal agressivo com partes rápidas e cadenciadas. Suas letras abordam fatos do nosso dia-a-dia como a violência urbana, alguns fatos sociais como: a prostituição, insanidade mental e folclores sobrenaturais.
A banda no ano de 1997 da início aos shows, tocando ao lado dos grupos Sodom, Napalm Death e Krisiun.


No ano de 1998, através da Apache Records a banda abre o show da banda Exodus na cidade de Catanduva / SP, abrindo ainda mais as portas para outros shows e contatos. Em Abril de 1999 o Transfixion faz sua (4ª - quarta) apresentação ao vivo, abrindo o show do Sepultura no Aniversário de Sto. André (organizado pela Prefeitura da Cidade), tocando para um público estimado em 10.000 pessoas, onde o grupo foi escolhido pela organização em meio a uma seleção que figuravam cerca de 40 bandas.

Ainda no ano de 1999 no mês de Dezembro, assinam com a gravadora Moria Records e entram no ano de 2000 nos estúdios MG11, Zoo International, Phonovox e Creative Sound e gravam o Debut “The Last Horizon”.
Pegar um disco com parte gráfica caprichada, encarte detalhado e letras traduzidas é outra história.
Dá até mais prazer de ouvir. Se a banda ainda completa toda essa parafernália com um som a altura, como é o caso do Transfixion, então tudo em cima, nada a reclamar.

Destaque para as faixas "Sleep Away", "E.W.A.P." além da faixa titulo "The Last Horizon"

http://www.transfixionmetal.com/
www.myspace.com/transfixionmetal

Uma das principais pragas que têm assolado o cenário Thrash nos últimos tempos é a mistureba com outros gêneros que fogem totalmente à sua proposta inicial, criando, na maioria dos casos, um ser monstruoso, cuja principal característica é o fato de parecer um canguru saltitante...
Poucas são as bandas que conseguem a proeza de soar atuais e ao mesmo tempo vigorosas como as do passado, sem cair na praga do "pula-pula"; dentre elas, podemos com orgulho citar os paulistanos do ANDRALLS, que neste seu segundo CD, "Force Against Mind", nos apresenta onze petardos, um atrás do outro, que nos deixam literalmente sem fôlego, como se tivéssemos levado uma porrada no estômago!
De acordo com a banda, o som que fazem se chama "Fasthrash", e de fato não poderia haver uma palavra melhor para descrever este álbum: sem frescuras, vigoroso, pesado, e rápido, muito rápido! Outro ponto a destacar é a produção de altíssimo nível, tanto na criatividade e qualidade da concepção gráfica, quanto na sonoridade, que ao mesmo tempo em que soa atual, mantém aquela "sujeira" característica do Thrash.

O único detalhe a ser mencionado é que talvez o ouvinte se deixe enganar numa primeira audição, principalmente se estiver simplesmente "passando o CD" numa loja, pois como todas as faixas são marcadas por riffs poderosos de guitarra e o citado andamento extremamente veloz, tendem a soar meio parecidas; portanto, não se deixe levar pela primeira impressão, ouça com atenção e calma (como se fosse possível deixar de bangear ao som deste álbum...)

Destaque para as pauladas "Rotten Money", "Andralls on Fire Pt. II", "Beyond The Chaos" e "So Many Gods"

http://www.andralls.com.br/


E para finalizar nossa coluna eu trago Os goianos do Heaven’s Guardian nos brindam com seu segundo cd, o primeiro full lenght: “Strava”. A banda tem como objetivos o heavy metal tradicional sem firulas ou frescuras, ou seja, tome anos 80 na cara. O cd abre com a pesadíssima "Castle of War", onde notamos que bandas como JUDAS PRIEST em muito influenciaram a banda.
De cara se destacam o vocal de Carlos Zema, agressivo e bem colocado, sem exagerar nos agudos e a bateria de Alexandre Salino (Kão), com muita precisão e gosto. O alto nível continua na agressiva "Raising", aonde temos a participação de Mário Linhares (Dark Avenger) num dueto demoníaco com Zema.

A maioria das músicas tem mais de 5 minutos, mas isso não quer dizer que são repetitivas ou monótonas, pelo contrário. A banda sabe muito bem explorar todas as facetas do heavy tradicional, como a levada mais cadenciada (excelente trampo de guitarras) de "Raising", o quase speed de "Death Behind Smiles" (que lembra muito o Anvil fase “Forged in Fire”) e o lado mais melódico como na balada Freedom (aonde Zema dá um show de vocalização) e na semi acústica
"Hope", aonde a banda abusa da criatividade para fazer uma balada heavy metal super contagiante.

Fica como principal destaque a faixa título "Strava", com uma introdução matadora de bateria, guitarras agressivas (algo similar ao HELLOWEEN de Walls of Jericho), e a faixa "Enough", que com sua introdução climática e sua levada super cadenciada será excelente para shows. Parabéns a banda por participar desse resgate do metal tradicional.

Vale lembrar que o posto de vocalista da banda hoje é ocupado por Mário Linhares enquanto o grande Carlos Zema atualmente integra o Coldera, que conta com nosso camaradinha Bill Hudson nas guitarras.

http://www.heavensguardian.com/


Bom é isso aí rapaziada, desejo uma ótima semana a todos e até Domingão.
Não percam a promoção da semana pra levar pra casa um disquinho do Rei Pássaro King Bird, que detonou ontem ao vivo no programa!!!!

Keep Rocking Friends \m/

3 Metalsplashers:

Carol Cruz disse...

Lí de primeira mão o cardápio!! Hehehehehe!

Muito bom, Sé!!!

Bjs!!!!

e_thrash disse...

do jeito q o serjão escreve não precisa nem ouvir a música pra conferir!
a descrição é tão detalhada q é como se eu já estivesse escutando o álbum! rs

"Arteathrash" disse...

pô, sérgio! divulgue mais essa parada pra galera vir comentar tb, diacho!