Cardápio METAL da Semana

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Saudações meus caros Metalsplashers!!!


Depois de um final de semana pra lá de bizarro que começou com o atropelamento do baterista do Blasthrash, minutos antes de banda subir ao palco do Inferno( mas como vazo ruim não quebra...), e uma queda de luz que tirou a All Tv por quase meia hora do ar, nada como exorcisar os demonios com muito Rock N Roll!!

Então vamos lá!!
Conhecido por ser o primeiro conjunto brasileiro a derrubar as fronteiras entre o punk e o metal há 20 anos, o Ratos segue a fórmula que o consagrou, pois seu crossover está tão impecável como sempre, com riffs calcados no thrash metal oitentista mesclado com a fúria punk, tudo sujo e agressivo (ops!), além de obviamente João Gordo continuar com sua eterna língua afiada.

Sem perdão verbal para o novo Papa e as tendências que a Igreja católica tem em encobrir seus escândalos sexuais em “Pedofilia Santa”; e outro tema que não sai da mídia e a banda explora muito bem é “Expresso da Escravidão”, falando sobre o trabalho escravo numa das melhores letras do CD. E, enquanto o Ratos de Porão se sai bem em temas mais politizados, mostra também um lado mais infantil e radical, destilando veneno descartável contra a galera emocore em "Equivocado".

Detalhe curioso aconteceu com o produtor Billy Anderson (Melvins, Eyehategod), que já trabalhou com o Ratos de Porão nos discos “Carniceria Tropical” (97) e “Sistemados Pelo Crucifa” (01). Apesar de tudo estar acertado para ele produzir “Homem Inimigo do Homem”, o gringo literalmente sumiu sem dar maiores satisfações... A alternativa foi apelar aos amigos Bernardo Pacheco e Daniel “Ganjaman”, que cuidaram da produção e mixagem, e fizeram um ótimo trabalho, permitindo que o esporro sonoro ficasse bem definido.
Mais um bom disco que traz todos os elementos que se esperam do Ratos de Porão. Provavelmente não vai mudar muito sua já consolidada carreira no underground, mas garantirá algum divertimento a seus fãs.

http://www.ratos.com.br/
www.myspace.com/ratos

Lançado em Agosto/99 este é o terceiro trabalho da banda curitibana que faz um rock viril, sem se deixar influenciar por modismos. Um pouco diferente dos dois primeiros discos, este deu um pouco mais de atenção as críticas sociais do que ao costumeiro slogan da banda: "Cerveja, mulher pelada e rock 'n roll". Mas nem tanto, tirando a excelente faixa que dá titúlo ao disco e 'Dignidade', as Velhas continuam só pensando mesmo em se divertir.

A música $r. $uce$$o fala tudo aquilo que queriamos ouvir, é uma crítica a música mal feita, aos modismos que destroem a verdadeira essência de cada estilo música, uma música obrigatória nesses tempos difíceis pelo que passa o cenário musical brasileiro.

Com algumas baladas a mais que nos discos anteriores, este continua com participações de peso, como de costume, entre elas destacamos:Luis Carlini e Celso Viáfora. Outras faixas que merecem atenção especial são: 'A Minhoca Que Acendia o Rabo', 'Rafaela Eu Amo A Sua Mãe', 'Domingo na Praia', 'Essa Tal Tequila', entre outras, sempre no mesmo estilo da zoação e diversão.
Continuam com o rock 'n roll puro, mas inovaram ao lançar o CD em bancas de jornais e não em lojas. Este é o primeiro pela Gabaju Records, um selo criado pela própria banda. Por não contar com uma gravadora grande, se tornaria difícil a divulgação do disco nas grandes lojas, por isso a alternativa foi a velha e boa banca de jornais, além de o disco vir acompanhado de um poster duplo e uma revista em quadrinhos com personagens inspirados nos integrantes.

Vale a pena conhecer só pela faixa-titúlo, mas quem gosta de um bom rock sem enfeites vai curtir muito todas as outras músicas. Mas não deixe de conferir também, os dois primeiros discos do grupo. Que trazem músicas excelentes, além das participações de Marcelo Nova, Roger do Ultraje, Rita Lee, Pit Passarel entre outras.

http://www.velhasvirgens.com.br/


Hard Rock de qualidade feito em português? Nem a pau!"
Esse deve ter sido o pensamento que deve ter acometido a cabeça de todo mundo em 1989, quando estava surgindo no cenário uma das mais novas promessas do rock nacional, lançando seu debut, que teve até música na trilha sonora da novela "O Salvador da Pátria", "Pra Dizer Adeus" (não confundir com o hit dos hoje decadentes Titãs).

Mas apesar dessa primeira impressão, a banda quebrou a barreira da língua e fez um trabalho primoroso. O guitarrista Wander Taffo, acompanhado dos irmãos Busic (hoje no Dr. Sin) e do Tecladista Marcelo Souss (hoje meio desaparecido), formaram uma das melhores bandas de rock nacional da época. Pena que essa incrível banda acabou em 1992, indo Wander Taffo dar aula no IG&T, e hoje sendo o respeitado coordenador das aulas do instituto.
Mas os maiores méritos de seu trabalho com certeza se encontram nessa banda. Grande talento, grande guitarrista que bebeu das melhores fontes do rock, letras fantásticas e uma sensibilidade fora do comum acompanhados do grande talento dos irmãos pecadores e de Souss fizeram surgir um grande disco e um clássico do rock nacional da primeira à última faixa.

O disco começa com uma ótima jam instrumental, "Intro", que dá uma idéia do que os irmãos Busic fariam anos à frente no Dr. Sin, ao lado de Edu Ardanuy. Depois, é seguida pela ótima e contagiante "Olhos de Neón", com execução e letras impecáveis, provando que existe vida no hard rock nacional com letras em português. O barco segue com "Sonhos de Rock'n'Roll", uma música linda e contagiante, sendo ela e "Olhos de Neón" claramente influenciadas por bandas como Van Halen e similares.

Após esse excelente trio inicial, temos a bela balada "Vento Sul", uma música realmente inspirada, com um solo impecável de Wander Taffo e um clima bem na medida. A seguir temos "Sem Tempo Pra Sofrer", uma música muito boa e com uma letra que critica os "dragões cegos" que comandam nosso país. Muito inspirada e, como sempre, instrumental impecável. Logo depois, temos a bela e primeira balada acústica "Um Pouco De Você", que é seguida da contagiante "Chaplin", com uma letra em homenagem ao maior gênio do cinema de todos os tempos. A próxima música, é a segunda composição em inglês do grupo, "Sweet Love" (a primeira é "Night Child", do debut), uma música bem legal e cativante.

O que vem a seguir é uma intro de baixo de Andria, "Intuição", seguida pela belíssima "Alquimista", com uma intro de guitarra fantástica de Wander, um verdadeiro primor de letra, enfim, uma música simplesmente perfeita e emocionante! A penúltima do disco é a ótima "Me Dê Sua Mão", e mais uma vez a banda se supera com uma belíssima composição e uma ótima intro de guitarra seguida de um instrumental primoroso e uma letra belíssima. O disco acaba com a segunda balada acústica da banda, a faixa título "Rosa Branca", linda composição, melhor até do que "Um Pouco de Você", que também é ótima, fechando o disco com chave de ouro!
Infelismente este HERÓI do rock nascional não está mais entre nós, fisicamente, é claro, pois sua obra e seu legado não irão jamais cair no esquecimento.

Pelo que depender deste órfão, nunca!!!!!!
Fica com Deus mestre, olhe por nós...

www.myspace.com/wandertaffo

Até Domingão Galeraaa!!
KEEP ROCKING FRIENDS!!!

2 Metalsplashers:

"Arteathrash" disse...

aeeeeeee!!! esse final de semana foi das bruxas, hein?
tudo de muito bizarro acontecendo conosco... rs

mas a gente é feliz até na desgraça, né? hahaha
vai ver é pq a gente sabe q no final tudo dá certo! rs

cardápio chuchu-beleza!

Carol Cruz disse...

Nossa, este fim de semana foi bizarro mesmo!

Cardápio animal!!! Adorei!!!

Bjs!