Torture Squad - Hellbound

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Olá, Pessoas!

Bom, estou assumindo uma nova posição no blog. Temos a Priscila trazendo o melhor das notícias do mundo do rock. O Sérgio, é nosso cheff, com os melhores pratos semanais para conhecermos e ouvirmos. A Elaine traz o link entre o Metalsplash e os internautas, e o Alê colabora com o menu de baladas em conjunto com a Pri. Faltou apenas fazermos resenhas sobre o material que sai no mercado, não? Claro que tem o Sergio, mas, é puco diferente. Nesta coluna, pretendo abordar álbuns em específico, e aguçar o sabor de cada tempero. Quero provocar desejo, e também dar dicas sobre novas produções por aí.

Inaugurando, falemos do maravilhoso Hellbound. Na minha opinião, o Torture Squad Acertou na mosca. Com a produção conjunta de Marcello Pompeu, Hansy Heid e a própria banda, o som não perde em nada para nenhum álbum de banda gringa. Nisso, também o estúdio Mr. Som tem um crédito imenso. Vamos aos fatos:

Os vocais do Sr. Vitor Rodrigues está cada vez melhor. Antes, nos álbuns, sentia muita influência de Death, e pouca variação, coisa que não acontecia nos shows, onde o vocal variava até demais. Nesse disco, ele mostra que sua voz antes era fichinha, e dá um imenso passo com um vocal muito estáve, preciso e seguro. A guitarra entra com riffs muito bons também. Desta Vez, parece que separaram bem: baixo e bateria na cozinha segurando bem a música para o Vitor e o Augusto Lopes pirarem. Os riffs ficaram mais densos que no álbum anterior. Toda a harmonia da guitarra, com certeza nasceu do mesmo útero; O que quero dizer, não é que saiu de mesma mão, mas sim que toda a guitarra passou a ter uam identidade muito forte.

O baixo está muito, mas muito grave. Eu sou suspeito em dizer isso, pois curto mais esse tipo de baixo do que a distorção do Motorhead. Lembra muito o que eu ouvi de Chaosfear tb, pois está agressivo, e não apenas martelado. Isso é um ponto muito bom, pois, como disse anteriormente, a cozinha da banda está perfeita, e o Castor está de parabéns.

O Amilcar... acho que já era esperado, não?

Vai, quem aqui não esperava um maravilhoso exemplo com esse cara? O estúdio deve ter uma boa estrutura, pois dá pra ouvir claramente tudo na bateria. O bumbo está muito bom, e o shimbal não está xiado, e nem arrastado. Enfim, acho que o maior peso da banda está na Bateria. Apesar do ecelente trabalho de todos aqui, a bateria é foda.

Bom, acho que esse álbum é assim: apague a luz do quarto, deite-se por um momento e ouça. Viaje um pouco com a música antes de bater cabeça. Ouça atentamente aos pecados do padre Joseph, em "Man Behind The Mask". Grite bastante também durante o próximo show assim que eles tocarem a música homônima ao Álbum. Hellbound é, em minha opinião, o melhor lançamento disparado do metal Brasileiro em 2008.

Agradeço muito à Srta Natascha Perim, da Hellion Records por ter nos atendido gentilmente, e tb à sua equipe por permitir que essa banda venha à nossos ouvidos com seu selo de qualificação.
Ficha Técnica:
Torture Squad - Hellbound
2008
Vitor Rodrigues - Voz
Augusto Lopes - guitarra
Castor - baixo
Amilca Christofaro - Bateria
Produção: Marcello Pompeu, Heros Trench e Torture Squad
produtor executivo: Hansy Heider
Capa por Paul Gerrard
www.torturesquad.com.br
torturesquad@torturesquad.com.br

4 Metalsplashers:

giulliana disse...

^_^

Gostei mto da ideia nova de fazer uma sessao de release de CDS xD

Muuuitoooo bacana =p


O Torture tá voltando ou já voltou pra cá, neh??????

Será q rola show em Sampa?? hehehe :p

Sou super fã do Vitinho, conheço a um puta tempo *_*

MUITO FODA *_________*










;*******

Priscila Magossi disse...

Meu post de quinta é EXATAMENTE sobre eles ;)

nóis disse...

maravilha!

Daniel disse...

DOBRADINHA DE TORTURE SQUAD!!!!